a Puroesporte
Subscribe: flickr

Ads 468x60px

Featured Posts

Notícias
var img_width

domingo, 17 de junho de 2018

Diário da Copa #3: Favoritos tropeçam, Brasil empata e VAR calado



Leonardo Siqueira

O terceiro e quarto dia de Copas mostrou que de fato o Mundial começou e no jargão clássico: "Não tem mais time bobo". Estreias realmente são difíceis e dão uma ansiedade danada. Que o digam Brasil, Argentina e Alemanha.

Começamos pela Argentina de Messi, que ontem sofreu diante da bem posta Islândia, que não para de surpreender desde a Euro-2016. O craque argentino não fugiu a responsabilidade e tentou de todas as formas, mas na hora que teve a grande chance falhou ao perder um penalti. Já os islandeses foram frios como seu país e conquistaram um grande empate.

Já os campeões mundiais, a Alemanha entrou em campo achando que os jogos seriam como o fatídico 7 a 1 e tiveram pela frente um México bem aplicado e com um contra-ataque fulminante vencendo por 1 a 0, segurando todas as ações dos comandados de Joachim Low. Vale lembrar que um ano antes as duas equipes se enfrentaram e os alemães venceram por 4 a 1.

Por último, o Brasil de Tite e Neymar. Não jogou mal, mas não conseguiu vencer. Se para alguns o resultado de estreia foi de se lamentar para nós não, porque não soou como derrota.

Claro, que ninguém pensa em estrear com empate em Copas do Mundo depois de tomar duas goleadas em 2014, mas desta vez dá para ter esperança nos próximos jogos.

Quem se deu bem foi a França, mesmo que não jogando bem, venceu e foi a única que teve a ajuda do VAR(o árbitro de vídeo). Nós que tanto pedimos ele, fomos prejudicados e não vimos ele funcionar. Valeu e amanhã tem mais.

Melhores momentos Brasil x Suíça.





sexta-feira, 15 de junho de 2018

Diário 2 #Copa: Hat-trick de CR7 e jogos decididos no final



Leonardo Siqueira

Dois jogos mornos e um jogo eletrizante marcaram o segundo dia de Copa do Mundo da Rússia. Como era de se esperar, o clássico ibérico entre Portugal x Espanha foi a grande estrela da primeira rodada do Grupo B.

Com excelente desempenho do melhor do mundo podemos dizer que o resultado foi Espanha 3 x 3 CR7. Isso mesmo, Cristiano Ronaldo fez os três gols dos lusitanos e saiu de campo como melhor jogador do jogo e comemorando o empate com os espanhóis, que também teve o brasileiro naturalizado Diego Costa com dois gols brilhando. Nacho com um golaço completou o placar.

O jogo entre o campeão europeu Portugal e a campeã mundial de 2010, Espanha, foi tudo que se esperava desde o sorteio dos grupos em dezembro do ano passado. Logo aos 4 minutos, CR7 driblou Nacho e sofreu penalti claro fazendo 1 a 0. Depois Diego Costa brigou com a zaga portuguesa, teria feito falta em Pepe e empatou o jogo com um belo gol. Mas, Portugal tinha o cinco vezes melhor do mundo e num chute despretensioso e contando com um frangaço de De Gea, Cristiano fez 2 a 1.

No segundo tempo, a Espanha voltou com tudo e no seu famoso tik-taka, colocou Portugal na roda e na jogada ensaiada de falta, Diego Costa empatou para depois Nacho fazer 3 a 2 em um tiranbaço de fora da área. Mas, no final ele apareceu. Cavou uma falta em cima de Piqué, e caprichosamente colocou no ângulo de De Gea, que nada pode fazer. 3 a 3 e um final épico para o grande jogo na Rússia.

Uruguai e Egito abriram a rodada em jogo morno com ações de ambos os lados e Salah assistindo do banco, Luis Suárez perder chance atrás de chance diante da sua defesa egípcia. No fim, Gimenez acertou uma linda cabeçada e deu vitória aos uruguaios.

Já Marrocos e Irã, também fizeram um jogo de correria, onde os africanos foram melhores durante todo o tempo e os iranianos só saiam na boa e em contra-ataque, mas aos 49 minutos uma falta de lado da área, fez o Irã sair com a vitória em um gol contra. E fim de papo.

Amanhã(sábado) tem mais galera. E coloque o despertador para tocar porque às 7h da matina tem França x Austrália. Depois tem Messi e cia contra a estreante Islândia(10h), o Peru de Guerrero e Cueva x Dinamarca(13h) e para fechar Croácia x Nigéria(16h). Fui!!!

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Diário #dia1 Copa: Rússia surpreende e goleia a fraca Arábia Saudita que mostra que não irá longe


Foto: FIFA.com
Leonardo Siqueira

Começou mais uma Copa e com uma cerimônia de abertura bela e rápida, a Rússia mostrou que o que importa realmente é bola rolando e as estrelas do espetáculo.

Confesso que o time da Rússia me surpreendeu neste primeiro jogo assim como a fragilidade da Arábia Saudita. Os donos da casa dominaram amplamente a partida e venceram por 5 a 0 dando o primeiro passo para a classificação em um grupo que os times são uma incógnita.

Mas, realmente o que supreendeu foi o time da Arábia Saudita. Dirigido pelo argentino Juan Antonio Pizzi, ex-Chile, a seleção teve um aproveitamento de 77% nas eliminatórias asiásticas empurrando a Austrália(que joga pela Ásia) para a repescagem. Antes de Pizzi, ela teve como treinadores, o holandês vice-campeão em 2010, Bert van Marwijk e depois o também argentino Edgard Bauza.

Assim, o que podemos esperar da Arábia nas próximas partidas e na Copa de 2026, que será realizada nos EUA-México-Canadá e a Ásia terá oito vagas já que a FIFA decidiu que serão 48 seleções?

Amanhã, a maratona começa com três jogos: Uruguai x Egito(9h), Irã x Marrocos(12h) e Portugal x Espanha(15h) só esperar para ver.


quinta-feira, 7 de junho de 2018

Seven days: Sete dias


Leonardo Siqueira

Sete dias, uma semana para a Copa do Mundo da Rússia começar e você está como? Já anotando os horários das partidas e se preparando para acordar cedo pois a jornada começa às 9h da matina.

Enquanto as seleções se preparam nos divertidos amistosos, curtimos os arrastados jogos do Campeonato Brasileiro, único torneio ainda em ação para variar, que já estão pedindo passagem para os jogos do Mundial.

Mas, que jogo você está ansioso para ver na Copa? Os do Brasil? Todos? Ou só os clássicos? Porque se teremos grandes jogos logo de cara como Portugal x Espanha e podemos ter outros a partir da segunda fase, os duelos entre as equipes babas não vai faltar. É aí que o seu bolão vai para o espaço.

Teremos "os grandes" jogos como Panamá x Tunísia, Irã x Marrocos, Senegal x Japão, Arábia Saudita x Egito, mas que vale a pena ver para conhecer um pouco destes pequenos países que não sabem se estarão na próxima edição.

Acredito eu que também teremos bons jogos de seleções que podem surpreender como vejo a Islândia, Bélgica e o Peru com chances de brilhar. É esperar a Copa começar e curtir. Na próxima semana volto com mais sobre a Rússia, país-sede e o jogo de abertura.

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Vai começar mais uma....


Leonardo Siqueira

Daqui a 13 dias começa mais um espetáculo da terra. Mais uma Copa do Mundo. Talvez pela distância e pelo momento que vivemos no nosso país, não vimos tanta mobilização como foi há quatro anos, quando havia "manifestantes" pró-Copa e contra Copa. Alguns queriam e achavam divertido a possibilidade não só de assistir o Brasil como outros países jogando e outros clamavam por mais educação e saúde, coisas que sempre faltaram com ou sem Copa.

Eu confesso que adoro. Assisto todos os jogos de ponta a ponta, faço bolão, coleciono figurinhas e procuram comprar todos os artigos ligados ao evento. Mais uma vez estarei em frente à TV, uma das minhas lástimas, porque meu sonho mesmo era estar lá, inloco, vendo os bastidores antes e depois das partidas, mas mesmo de longe acompanharei e acredito que será sensacional.

A Rússia é um país atípico, muitos dizem um Brasil na Europa. Assim como nós gastaram horrores e superflacionaram os valores dos estádios. Ameaças? Até tiveram como uma possível guerra e um cancelamento. Mas, foi tudo superado e agora é esperar a bola rolar para ver os craques desfilarem pelos campos russos, que um dia foram de concentração e muitas mortes.

Estarei aqui e tentarei fazer um diário para que vocês possam acompanhar a Copa de uma maneira diferente e emocionante. Gostaria de fazer um resumo como meu colega Daniel Kaz fez de a Copa a Copa, que acompanhei. Mas, vou resumir.

Bom, a primeira que me lembro que assisti foi a de 1982, tinha já seis anos e chorei pela derrota diante da Itália de Paolo Rossi, fato que anos depois fui entender porque o Brasil foi eliminado: O regulamento era diferente do atual. Quatro anos mais tarde e vi meu pai sofrer com os pênaltis diante da França. Ele nunca mais assistiu disputa de pênaltis. Em 1990, já com meus 14 anos, vi o vizinho nosso em Itaipava xingar o Maradona que nos eliminara nas oitavas de final.

Em 1994, 18 anos e a glória. Eu e meu pai, na sala da casa dele. E o que aconteceu? Pênaltis. Ele até tentou ver, mas quando Márcio Santos perdeu o primeiro saiu da sala. Eu chorei mais quando o Taffarel pegou um deles do que com o título. No tetra fiquei atônito. Em 1998, já era um estudante de jornalismo, sonhava com a cobertura de uma e vi a frustração de meus amigos diante da França de Zidane.

Para terminar em 2002, Copa de Madrugada, café da manhã na casa da tia e mais um título para o Brasil. Ainda me revoltei e como jornalista esportivo sempre usei as Copas para aprender geografia, conhecer bandeiras e hinos, comecei a torcer contra nossa seleção. Em 2006, deu Itália (minha primeira paixão), em 2010, minha querida Espanha e 2014, fui como torcedor de Portugal nos estádios e o final já sabemos 7 a 1 e não se fala mais nisso. Vamos a 2018!!!!

terça-feira, 24 de abril de 2018

Cúpula Mundial da FIBA busca moldar o futuro do esporte


A primeira Cúpula Mundial de Basquete da FIBA, uma reunião de interessados ​​de todo o mundo em construir o futuro do esporte, acontecerá em Xi'an, China, de 3 a 4 de outubro.

O evento de dois dias reunirá uma ampla gama de personalidades de alto escalão no basquete mundial - de altos funcionários e gerentes em federações, clubes e ligas, até líderes empresariais e chefes de corporações em áreas como mídia e tecnologia, marcas e responsabilidade social corporativa.

Esta é a primeira reunião individual do esporte e marca um marco significativo na história do desenvolvimento do basquetebol, reflectindo a popularidade e a maturidade global do jogo.

A Cúpula Mundial de Basquete da FIBA ​​é uma reunião anual que não pode faltar a todos os que desempenham papéis-chave no ecossistema global do basquete. É uma oportunidade única para essas personalidades compartilharem sua experiência e conhecimento, ao mesmo tempo em que aproveitam a maior plataforma do esporte para promover suas competições, atividades e interesses.

Xi'an - a capital da província de Shaanxi e antiga capital das 13 dinastias da China - concordou em sediar as três primeiras edições (2018, 2019 e 2020) da Cúpula Mundial de Basquete da FIBA. A apresentação oficial da Cúpula Mundial de Basquete da FIBA ​​ocorreu na manhã de segunda-feira em uma conferência de imprensa realizada no Salão do Tesouro Embutido, na Cidade Proibida de Pequim.

A cerimónia incluiu a apresentação do logótipo da Cimeira, o anúncio do Comité Organizador em torno do Provincial de Desportos de Shaanxi e a Associação de Basquetebol de Shaanxi, bem como o lançamento das contas oficiais do WeChat e do Sina Weibo.

Entre os ilustres convidados disponíveis para o lançamento da Cúpula Mundial de Basquete da FIBA ​​estão: Sr. Frank Leenders, Diretor Geral da FIBA ​​Media and Marketing Services (FMMS); O Sr. Xu Peng, diretor adjunto do Departamento Provincial de Esportes de Shaanxi; e Wang Libin, vice-presidente da Associação Chinesa de Basquetebol e Presidente da Associação de Basquetebol de Shaanxi.

COB realiza Seminário de Chefes de Equipe dos Jogos Sul-americanos Cochabamba 2018


O Comitê Olímpico do Brasil(COB) definiu os principais objetivos para os Jogos Sul-americanos Cochabamba 2018, que serão realizados entre os dias 26 de maio e 8 de junho, na Bolívia: classificar atletas e equipes para os Jogos Pan-americanos Lima 2019; dar experiência de competição internacional para jovens atletas, além de familiarizá-los aos serviços oferecidos em uma Missão liderada pela entidade.

A informação foi passada nesta quarta-feira, dia 18, último dos dois dias do Seminário de Chefes de Equipe dos Jogos Sul-americanos, realizado pelo COB em sua sede, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, o COB anunciou também Marco La Porta como o chefe da Missão Brasileira nos Jogos de Cochabamba. “Me sinto muito honrado com esse desafio de liderar uma delegação com mais de 400 integrantes, sendo cerca de 300 atletas representando o Brasil em um evento que traz as dificuldades de se competir em uma altitude considerável” disse La Porta, que foi eleito vice-presidente do COB em março.

Durante o seminário, La Porta passou um pouco de sua experiência aos novos líderes, já que foi chefe da equipe de triatlo nos Jogos Olímpicos Londres 2012 e Rio 2016, além de Jogos Pan-americanos Guadalajara 2011 e Toronto 2015. “O objetivo do COB com esse Seminário é minimizar os problemas para que os atletas possam ter a melhor performance possível. O chefe de equipe é fundamental para toda a operação de sua modalidade”, afirmou La Porta.

A delegação brasileira vai contar com aproximadamente 430 integrantes, sendo pouco mais de 300 atletas. O Time Brasil deve ser o sétimo maior em número de atletas, atrás de Bolívia, Argentina, Venezuela, Peru, Chile e Colômbia. Os Jogos Sul-americanos são disputados por um total de 14 países membros da Organização Desportiva Sul-americana.

O Seminário de chefes de equipe reuniu representantes das 33 modalidades (lista abaixo) que irão para Cochabamba. Um dos destaques foi a participação do campeão mundial de judô Luciano Corrêa, que se aposentou dos tatames no final de 2017 e terá pela primeira vez a oportunidade de viajar como responsável pela Seleção Brasileira de sua modalidade. “Estou muito feliz e honrado em poder contribuir com o esporte brasileiro, mas agora de outra forma, do outro lado. Como atleta, eu tinha noção do trabalho de logística que uma Missão dava, mas agora realmente estou vendo como é um grande o cuidado do COB com nossos atletas”, disse Luciano Corrêa.

Os Jogos Sul-americanos Cochabamba 2018 terão aproximadamente 4.350 atletas em disputas de 49 modalidades e 376 provas em 43 instalações esportivas. Dos 35 esportes do programa de competição, 14 terão em Cochabamba uma parte do processo de classificação para os Jogos Pan-americanos de Lima, no Peru, em 2019:

- Atletismo
- Boliche
- Ciclismo Estrada
- Ciclismo MTB
- Ciclismo Pista
- Handebol
- Hóquei sobre grama
- Karatê
- Wrestling
- Natação
- Pentatlo Moderno
- Rugby
- Tiro Esportivo
- Triatlo

Melo e Kubot estão nas quartas de final do ATP 500 de Barcelona


Melo e Kubot lideram o ranking de duplas da ATP
Marcelo Melo e Lukasz Kubot precisaram de apenas 51 minutos para estrear com vitória e garantir um lugar nas quartas de final do ATP 500 de Barcelona, na Espanha. Cabeças de chave número 1 do torneio, eles não deram qualquer chance aos adversários, na primeira rodada, nesta terça-feira (24), derrotando o russo Karen Khachanov e o argentino Diego Schwartzman por 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 6/0. Agora, aguardam a dupla vencedora da partida entre os espanhóis Jaume Munar/ Tommy Robredo e Aisam-Ul-Haq Qureshi (Paquistão)/Jean-Julien Rojer (Holanda).

"Conseguimos mais uma vez jogar muito bem. Da maneira que vínhamos jogando nas duas últimas partidas. Aproveitamos logo no início a chance de passar à frente e conseguimos manter até o final. Isso é muito bom para voltar a ter o processo de confiança, a se manter no jogo o tempo todo", explicou Marcelo.

O primeiro set começou equilibrado, com as duas duplas mantendo seus saques até o oitavo game. Melo e Kubot quebraram o serviço de Schwartzman para marcar 5/3 e, em seguida, fazer 6/3 para fechar a série. A partir daí, os adversários não conseguiram confirmar mais nenhum de seus saques. Melo e Kubot voltaram para o segundo set já com break no primeiro game e foram abrindo, sem dar qualquer chance a Khachanov/Schwartzman, fazendo 6/0 para vencer e avançar em Barcelona.

Melo e Kubot, que dividem a liderança do ranking mundial individual de duplas da ATP, disputam uma sequência de torneios no saibro até Roland Garros, segundo Grand Slam do ano, no final de maio, em Paris, na França. Depois de Barcelona jogarão o ATP 250 de Munique e os Masters 1000 de Madri e Roma, até chegar à capital francesa.

Quinze partidas, 10 vitórias e o primeiro título da temporada em Sidney – O mineiro Marcelo Melo, 34 anos, e o polonês Lukasz Kubot, 35 anos, estão jogando juntos desde o início da temporada 2017. Antes, formaram parceria em torneios como o ATP de Viena, onde foram campeões em 2015 e 2016. Em 2017, a dupla Melo e Kubot disputou 24 torneios, conquistou seis títulos, venceu 51 jogos, com apenas 18 derrotas. Entre essas vitórias está a 400ª da carreira do brasileiro, obtida na estreia em Roland Garros.

Capital Federal recebe as melhoras duplas da temporada 17/18 do Vôlei de Praia


Competição será no estacionamento do Mané Garrincha
Chegou a hora do principal torneio de Vôlei de Praia do país. Aquele que reúne os melhores times da temporada e oferece a maior premiação do ano, encerrando o calendário nacional. O SuperPraia acontece em Brasília (DF), de quinta-feira (26.04) a domingo (29.04), no estacionamento do estádio Mané Garrincha. A entrada é franca, por ordem de chegada.

As partidas da quadra central terão transmissão ao vivo pelo Facebook da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), enquanto as finais, no sábado de noite e no domingo de manhã, serão exibidas com exclusividade pelos canais SporTV. Será a primeira vez que Brasília (DF) recebe uma edição do SuperPraia, torneio criado em 2014. A capital federal, porém, já sediou por 16 vezes uma etapa do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia.

E a disputa promete ser quente, já que a competição reúne apenas os melhores times da temporada. Enquanto uma etapa do Circuito Brasileiro Open conta com 24 times na fase de grupos, em cada gênero, no SuperPraia estarão apenas os 14 primeiros do ranking brasileiro 17/18, além de dois times convidados, completando 16 duplas.

Entre os times inscritos no naipe masculino destaque para os campeões mundiais Evandro/André(RJ/ES), os campeões olímpicos Alison/Bruno Schmidt(ES/DF) e os últimos vencedores de uma etapa em Brasília, Álvaro Filho/Saymon (PB/MS).

No naipe feminino, entre as inscritas estão as campeãs brasileiras Maria Elisa/Carol Solberg, a vice-campeã olímpica Bárbara Seixa, que agora está ao lado de Fernanda Berti e Maria Clara/Elize Maia (RJ/ES).

No histórico da competição, que é realizada desde 2014, os campeões olímpicos Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) dominam entre os homens e ficaram no topo do pódio em todas as edições, sendo tetracampeões. No feminino, a primeira edição, em Salvador (BA), em 2014, Taiana e Talita venceram, enquanto nos dois anos seguintes, em Maceió (AL) e João Pessoa (PB), Ágatha e Bárbara foram bicampeãs. Na temporada passada, em Niterói, vitória de Ágatha e Duda (PR/SE).

O SuperPraia encerra o calendário nacional e possui um campeão único. Já o Circuito Brasileiro, que terminou no início deste mês, conta com sete etapas, três que foram realizadas em 2017 - Campo Grande (MS), Natal (RN) e Itapema (SC) - e mais quatro neste ano: Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Maceió (AL) e Aracaju (SE). Evandro/André Stein (RJ/ES), no masculino, e Maria Elisa/Carol Solberg (RJ), no feminino, foram os campeões.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Harden domina terceiro período e Rockets ficam a uma vitória das semifinais


Das agências internacionais

Com uma atuação soberba de James Harden no terceiro período, o Houston Rockets derrotou o Minnesota Timberwolves, na noite de segunda-feira, no Target Center, por 119 a 100, pelo quarto jogo da primeira rodada dos playoffs da Conferência Oeste, fazendo 3 a 1 na série.

O Barba foi o cestinha do confronto com 36 pontos, incluindo cinco arremessos de três em 11 tentativas. Além disso, foram 22 apenas no terceiro período, quando os Rockets marcaram 50 pontos, ficando a apenas um de empatar a marca do Los Angeles Lakers, que em 1962 fez 51 pontos em um único período nos playoffs.

Outro nome na grande vitória da franquia texana foi o armador Chris Paul, marcando 25 pontos, além de seis assistências e cinco rebotes. O brasileiro Nenê Hilário atuou por 14min04, fazendo quatro pontos, cinco rebotes e duas assistências.

Nos Wolves, Karl-Anthony Towns conseguiu um duplo-duplo, com 22 pontos e 15 rebotes, e Jimmy Butler deixou a quadra com 19 pontos.

A quinta partida entre Houston Rockets e Minnesota Timberwolves será disputada na quarta-feira, às 22h30 (de Brasília), no Toyota Center. Caso a franquia texana vença, fechará o confronto se classificando para as semifinais do Oeste. EFE

O ADEUS DE FABI: Uma campeã em quadra e fora dela


Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV
Fabi termina carreira com vice-campeonato na Superliga
Uma das melhores líberos da história do voleibol mundial se despediu das quadras de voleibol neste domingo (22.04). A bicampeã olímpica Fabi colocou o ponto final em um vitoriosa carreira na final da Superliga Cimed 17/18. A defensora foi um dos destaques da campanha das cariocas e, muito emocionada ao final da partida, falou sobre a decisão de encerrar a carreira.

“É uma decisão difícil que já vinha amadurecendo há algum tempo. Acompanhei esses dias as despedidas do Dante e do André Nascimento que foram dois jogadores que me inspiraram. Independentemente de qualquer coisa tinha tomado essa decisão há algum tempo. Estou feliz porque durante 20 anos eu fiz o que eu mais gostava na vida, que é jogar vôlei. Jamais poderia imaginar que chegaria tão longe. Vitória ou derrota faz parte, mas o meu sentimento é de dever cumprido. O voleibol me deu uma oportunidade na vida de me tornar uma pessoa melhor e terminar a carreira disputando uma final de Superliga é muito bacana”, explicou Fabi.

A líbero do Sesc RJ ainda falou sobre a final da Superliga Cimed 17/18. “O Dentil/Praia Clube jogou muito hoje e mereceu esse título. Foi uma equipe montada para ser campeã. Sabíamos que seria difícil. Fico triste pela derrota, mas lutamos bastante durante toda a temporada”, disse Fabi, que ainda deixou uma mensagem para os fãs do voleibol.

"A entrega sempre tem que ser a máxima em tudo na vida. É um privilégio fazer e viver do esporte. Quem me viu na quadra espero que tenha visto muita dedicação e amor pelo que faz”, finalizou Fabi.

Equipe brasileira disputa etapa de Hyéres da Copa do Mundo de Vela


O Brasil estará representado por uma delegação de 14 velejadores na etapa de Hyères da Copa do Mundo da World Sailing (Federação Internacional de Vela), que será aberta neste domingo, dia 22.

As primeiras regatas serão disputadas a partir de terça-feira, dia 24, às 6h de Brasília. A Equipe Brasileira terá o reforço da medalhista olímpica Fernanda Oliveira, que compete ao lado de Ana Barbachan na classe 470 feminina.

Em 2018, as velejadoras gaúchas foram campeãs sul-americanas, mas optaram por não disputar o Troféu Princesa Sofia, em Palma, na Espanha, no começo de abril, a fim de intensificar a preparação técnica e física no Brasil. A dupla reaparece em Hyères, local em que elas conquistaram duas medalhas de ouro (2013 e 2015) e uma de prata (2016) na jornada rumo aos Jogos Rio 2016.

“Hyères é um lugar que nos traz boas recordações, sem dúvida. No último ciclo, foi onde nós tivemos o maior número de medalhas. Esse retrospecto nos anima, e a gente sabe do nosso potencial, mas é claro que a dificuldade será imensa. É uma etapa sempre muito competitiva, com grandes velejadores e alto nível técnico. Palma já mostrou que há várias tripulações novas que estão brigando entre as dez primeiras colocações”, afirma Fernanda Oliveira, que deu uma pausa na carreira em 2017 para o nascimento do filho Arthur.

Outro destaque da delegação brasileira em Hyères é Jorge Zarif, que em 2018 conseguiu três resultados de top 10 nas três principais competições do ano na classe Finn: quarto lugar na Copa do Mundo de Miami; quinto no Troféu Princesa Sofia; e sétimo no Campeonato Europeu.

Na classe Nacra 17, o Brasil terá duas duplas que vêm embaladas por resultados consistentes. Samuel Albrecht/Bruna Martinelli e João Bulhões/Gabriela Nicolino ficaram no top 20 no Troféu Princesa Sofia, em 14º e 18º lugares, respectivamente.

Ao todo, Hyères receberá 720 atletas de 50 países em 550 barcos. Será a última etapa antes da Final da Copa do Mundo, marcada para Marselha (França), de 3 a 10 de junho, com os melhores velejadores da temporada na competição.

Confira a relação completa de velejadores do Brasil na Copa do Mundo de Hyères:

Finn - Jorge Zarif

Finn - Antonio Moreira

470 feminina - Fernanda Oliveira e Ana Barbachan

470 masculina - Geison Mendes e Gustavo Thiesen

49er - Carlos Robles e Marco Grael

Laser - Bruno Fontes

Nacra 17 - Samuel Albrecht e Bruna Martinelli

Nacra 17 - João Bulhões e Gabriela Nicolino

Laser - João Pedro Souto de Oliveira

Fonte: CBVela

domingo, 22 de abril de 2018

Ciclistas Shimano dominam pódio na Maratona Internacional Estrada Real


Ricardo Pscheidt no Desafio dos Rochas 
O fim de semana foi excelente para a equipe da Shimano Sports que dominou as provas da Maratona Internacional de Ciclismo. Em Ouro Branco(MG), seis dos dez atletas do pódio foram representantes da marca, com destaque para Lukas Kaufmann (Cannondale Brasil Racing), em terceiro, e Edson Rezende (Caloi Avancini Team), em quinto lugar.

Em Pomerode (SC), Ricardo Pscheidt (Trek/Shimano/Giro29) venceu o Desafio dos Rochas, enquanto em Santa Teresinha (BA), Kennedi Lago (Squadra Oggi) faturou o tri da Suba 100 MTB. Por fim, em Brasília (DF), Reinaldo Colucci (Sesi/Shimano) foi o campeão do Challenge Cerrado de Triathlon.

A Maratona Internacional Estrada Real teve percurso de 63 km para os ciclistas da elite. Além de Kaufmann e Rezende, ambos no top 5, a marca contou ainda com Daniel Grossi (Groove/Shimano), Mario Couto e Rubinho Valeriano (ambos Sense Factory Racing) entre sexto e oitavo lugares, respectivamente, e Wolfgang Olsen (Caloi Avancini Team), na décima colocação. Enquanto Bruno Lemes foi o campeão da prova, o vice-campeonato ficou com Ismael Ventura.

Principal destaque entre os ciclistas Shimano, Lukas Kaufmann teve apenas uma semana para se recuperar de uma dura queda na terceira e última corrida da etapa de Araxá (MG) da Copa Internacional de MTB, para obter o top 3 na Maratona Internacional Estrada Real. "O ritmo foi muito forte na competição aqui em Ouro Branco. Por isso, fico bastante feliz com meu rendimento e a tática que foi imposta durante a prova. Para mim, foi um ótimo terceiro lugar. Não podia ser melhor", comemorou Kaufmann, ciclista nascido na Alemanha e que recentemente naturalizou-se brasileiro.

Desafio dos Rochas - A sexta edição do Desafio dos Rochas de MTB contou com distância de 98 km e altimetria acumulada em torno de 3.100 m para a categoria sport, vencida na elite masculina pelo catarinense Ricardo Pscheidt. "O Desafio dos Rochas já se tornou sinônimo de ser uma das provas de Maratona MTB mais duras do Brasil realizadas em um dia, com subidas intermináveis e várias trilhas feitas a mão", destacou Pscheidt.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Definidos os adversários de estreia do Brasil no Mundial de Tênis de Mesa


A Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF) divulgou nesta sexta-feira (20/4) a tabela do Campeonato Mundial por Equipes, que começa no dia 29, em Halmstad, na Suécia. A equipe masculina do Brasil terá a República Tcheca como primeira adversária no grupo B, às 8h (de Brasília). Já a Seleção feminina tem a Alemanha pela frente na estreia, às 5h (também de Brasília), pelo grupo D.

Quatro equipes de cada grupo avançam para a fase de oitavas de final. Na competição masculina, o Brasil terá como adversários China, Portugal, Rússia, República Tcheca e Coreia do Norte. A Seleção Brasileira é formada por Hugo Calderano, Gustavo Tsuboi, Eric Jouti e Vitor Ishiy. Os treinadores serão Francisco Arado, o Paco, e Jean René Mounie.

Após o sorteio dos grupos, em fevereiro, o mesa-tenista Gustavo Tsuboi fez uma análise sobre os adversários do Brasil nesta primeira fase.

"A China, com certeza, é muito mais forte do que a gente. Com as outras seleções, podemos jogar de igual para igual. Uma equipe que pode complicar bastante é a Coreia do Norte, pois eles não participam de muitos campeonatos internacionais e tradicionalmente tem bons jogadores", disse.

No torneio feminino, as adversárias do Brasil são Hong Kong, Coreia do Sul, Alemanha, Tailândia e Luxemburgo. A equipe é formada por Bruna Takahashi, Caroline Kumahara, Lin Gui e Jéssica Yamada. O treinador é Hugo Hoyama.

Esta é a primeira vez que as seleções masculina e feminina do Brasil estarão juntas na divisão principal do Mundial por Equipes de Tênis de Mesa. Em 2016, as meninas disputaram a competição na elite pela primeira vez, mas a equipe masculina estava na Segunda Divisão, onde foi vice-campeã. Atualmente, o Brasil é o 10º colocado no ranking mundial de equipes masculinas e figura na 19ª posição do ranking feminino.

Confira a tabela completa do Brasil na primeira fase da competição (com horários de Brasília):

FEMININO
29/4 – 5h – Brasil x Alemanha
29/4 – 15h – Brasil x Hong Kong
30/4 – 11h – Brasil x Luxemburgo
1º/5 – 5h – Brasil x Tailândia
1º/5 – 14h – Brasil x Coreia do Sul

MASCULINO
29/4 – 8h – Brasil x República Tcheca
30/4 – 5h – Brasil x Portugal
30/4 – 14h – Brasil x China
1º/5 – 8h – Brasil x Coreia do Norte
2/5 – 5h – Brasil x Rússia

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Olimpíada: Um tiro no pé


Leonardo Siqueira

Cresci curtindo assistir as Olimpíadas na televisão e torcer pelas raras medalhas brasileiras e me emocionar com elas.

Depois que me tornei jornalista esportivo e comecei a cobrir os esportes olímpicos, aprendi nas coletivas e eventos que trazer os Jogos Olímpicos para uma cidade, poderia ser um grande crescimento do país, tanto no âmbito esportivo quanto no âmbito de mobilidade urbana.

Ouvi histórias como a de Barcelona-92 e Sidney-2000, que teriam sidos cidades que mais souberam se utilizar do fato de sediar uma Olimpíada para crescer e evoluir no setor urbano e tornando-se assim um lugar melhor para as pessoas, que ali viviam e também as visitavam.

Quando o Rio de Janeiro venceu a candidatura da edição de 2016, fui até a praia de Copacabana comemorar com colegas de profissão a nossa vitória e a oportunidade de ter os Jogos Olímpicos na minha cidade e poder estar perto de astros que até então só tinha visto pela TV.

Anos passaram-se e em 2016, diante do fato de não estar mais trabalhando com esportes, logo me inscrevi para o programa de Voluntários. Estar ali, viver aquele sonho e poder participar de alguma forma era uma alegria imensa para mim.

Quando chegou o dia, vivi 20 dias intensos, contei e ouvi histórias, reencontrei amigos, vi atletas que me conheciam concentradíssimos na disputa das Olimpíadas e vi astros passarem por mim no check-in do dia - a-dia da ponte dos atletas. No fim, ainda trabalhei no Centro de Imprensa e vi jornalistas do mundo inteiro e analisei como eles trabalhavam: uma experiência incrível.

Hoje um ano depois, apesar de defender o legado deixado na cidade como o Metrô da Barra, o BRT e o Porto, me deparei com a notícia da prisão do presidente do COB, Carlos Arhtur Nuzman e com a provável denuncia de compra de votos para que isto tudo fosse possível.

Não sei se é verdade ou não, mas que me deixou bastante decepcionado com as pessoas que a conhecia das coletivas e apresentações ao COI, confesso que sim. E tenho que admitir que as Olimpíadas podem ser tanto uma chance de crescimento, como também o tiro no pé de quem a sedia.